A filha perdida

Para Lira, Moro liquidaria CPI se revelasse ganhos em consultoria
25 de janeiro de 2022
Governo Bolsonaro quer barrar reajuste de 33% no piso de professores
25 de janeiro de 2022
A primeira cena do filme “A filha perdida” de Maggie Gyllenhaal (2021) mostra Olivia Colman no papel de Leda indo passar férias na costa grega, deleitando-se com a brisa marinha e com a paisagem. Nada que lembre uma mulher de meia-idade amargurada e solitária, como alguns sugeriram equivocadamente. Trata-se de uma professora universitária, cujas filhas adultas foram morar com o ex-marido, no Canadá. É nesse cenário idílico, no qual fica evidente o prazer que a protagonista extrai de suas leituras, do mar e do sol, que se dá o encontro disruptivo com outra família. Aquela que no livro homônimo de Elena Ferrante se parece desconfortavelmente com a família na qual Leda nasceu.
Leia mais (01/24/2022 – 08h05)

Os comentários estão encerrados.